<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d3130456206145852982\x26blogName\x3dRevista+Fraude\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://revistafraude.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://revistafraude.blogspot.com/\x26vt\x3d4683893385502453966', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Na Fraude #6: Toy Art

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

O lançamento da Fraude #6 é amanhã no Balcão Botequim, Rio Vermelho, às 18h. Mas você já pode ver aqui uma prévia do que vai rolar na publicação. Esse número trará, entre diferentes temáticas, a discussão sobre os Toy Arts. Criados há menos de 15 anos pelo pintor e designer de Hong Kong, Michael Lau, o toy art “brinquedos para adultos”, virou febre primeiro entre jovens descolados de Hong Kong e do Japão e depois entre os profissionais da moda, música e arte na Europa e nos Estados Unidos. São brinquedos pequenos feitos de diferentes materiais como resina, tecido com enchimento, ou até papel. Nasceram, assim como acontece com a arte urbana dos países ricos do sudeste asiático, com influências estéticas e temáticas indo da pop art e grafite ao folclore e lendas urbanas. Geralmente são representados por animais: coelhos, macacos e raposas são os mais comercializados. 

Os preços dos Toys variam. Antes bem baratos, agora podem chegar a valer mais de 10 mil verdinhas, passando a ser considerados item de colecionador. Criadores afirmam que o que faz um Toy ser mais caro do que outro é sua raridade e a importância do artista que o criou. No Brasil ainda é incipiente e um pouco tímida a fabricação desses brinquedos, porém, configura-se como uma arte em expansão.   

O tema, que vem ganhando repercussão na mídia alternativa brasileira, pode ser conferido na Fraude #6 a partir de amanhã!

leave a comment