<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d3130456206145852982\x26blogName\x3dRevista+Fraude\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://revistafraude.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://revistafraude.blogspot.com/\x26vt\x3d4683893385502453966', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

O mais escuro dos cinemas

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Ah, os filmes pornôs e a cultura erótica! Atire a primeira pedra quem nunca se aventurou por esse mundinho de prazeres áudio-visuais (vide a cara de danadinha da nossa ilustração). A Fraude já andou circulando nessa temática, e não foi só uma vez. Nossos arquivos estão aí para provar.

Na segunda edição da revista, em dezembro de 2004, lá estava Tiago Felix, com a matéria “O mais escuro dos cinemas” (pg. 34), comentando sobre a indústria erótica. Desde Marquês de Sade até a Madonna. Das grandes produções de filmes pornôs, às exibições decadentes dos cinemas eróticos de Salvador.

O que mudou em quatro anos? De 2004 para 2008, a indústria pornográfica só cresceu. E hoje a moda são as sub-celebridades tentando alavancar a carreira, e ganhar um dinheirinho, estrelando filmes pornôs. Aqui no Brasil tivemos o prazer de ver Rita Cadilac, Alexandre Frota, Leila (quem?) Lopes e a Lacraia penetrando (no caso de Alexandre Frota, literalmente) no mercado de cinema pornográfico.

No processo de definição das matérias do número 6 da Revista Fraude tentamos descobrir como e quem fazia a produção baiana de vídeos pornôs. A resposta veio rápida, primeiro com a notícia de que a pauta havia caído e a matéria não iria sair: praticamente não há produção comercial e empresas que atuem profissionalmente na Bahia. Peninha.

Mas isso não quer dizer que a putaria pare por aí. Quem se interessa pelo assunto pode conferir na Revista Metrópole como funciona e quem freqüenta os cinemas de exibição de filmes eróticos /pornográficos que existem na capital baiana.

leave a comment